Escritos de Rafael Perfeito

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Orquídea Negra


Há duas semanas ela me deu umas begônias. Com um sorriso fabricado, sentou-se à mesa da cozinha, num banquinho vermelho, e terminou tudo. Me deu begônias e terminou tudo.

Hoje ela resolveu me fazer uma visita.

"Meu Deus, as begônias que eu te dei!"

Foi o que saiu de sua boca ao ver o cadáver begônio em cima da geladeira, as cores pútridas de aspecto sepulcral tristemente caídas do pote onde, semanas antes, fulguravam esbeltas.

_Lamento muito! Regá-las seria agir como o negro capitão do mato
ajudando a caçar crioulo fugido!
Seria o judeu a vigiar seus semelhantes nos guetos
para as autoridades nazistas.
Alimentá-las representaria, para mim, ser o carrasco de mim mesmo,
tentando cobrir o rosto com um capuz diante do espelho!!


Isso foi o que gritei a ela, da porta da cozinha, ecoando pelas escadas,
enquanto o elevador a carregava para baixo.

Mas a verdade é que não quis admitir o total esquecimento de ter colocado as begônias em cima da geladeira.
Alguém deveria te-la avisado que sempre preferi orquídeas.
Negras.
Vou acender um cigarro...



3 comentários:

  1. Regá-las seria enfeitar um túmulo vazio. Não faz sentido né. Quanto as orquídeas, tenho que te contar uma lenda urbana sobre elas... Em outra ocasião.

    ResponderExcluir
  2. Da proxima vez que eu for brigar com alguém, levarei flores!!!

    ResponderExcluir
  3. Palavras bonitas camuflando atos feios.

    ResponderExcluir

Vocifere!