Escritos de Rafael Perfeito

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Perdas



Há mais ou menos um mês, entrei com o carro na garagem e ela estava lá, saco de pão na mão, no meio do caminho, entre o elevador e a vaga do 701. Estática. Olhando pro carro... que não mais existia.

Tirei as compras do porta malas e a senhora, perfeito penteado grisalho, olhando pro nada, no meio do caminho... que não existia.

Passei por perto e o elevador chegou. Ela, imperturbável, não mexera nem o sobrolho, olhando pro nada... que era tudo que via.

No térreo o porteiro, boleto do condomínio na mão: “Rafael, tá sabendo? O Sr. Djalma teve um ataque cardíaco ontem à noite!”.

Hoje, dia ensolarado, passei de bicicleta por ela. Falava sozinha. Em seu caminho não havia árvores, não havia sombras, não havia nada.

Só um sorriso protocolado, amarelo... e um saco de pão.



5 comentários:

  1. A solidão, meu caro!
    O mal do século que, com a ajuda dos PSP's, fones de ouvido e todo tipo de tecnologia "isolacionista", nos torna cada vez mais um único mundo dentro do Mundo.
    Lud

    ResponderExcluir
  2. não chorei, mas quase, Perfeito!
    beijo meu, te cuida sempre!

    ResponderExcluir
  3. Que profundo..

    ResponderExcluir

Vocifere!